Translate

terça-feira, 21 de fevereiro de 2012

ERA UMA VEZ um grande violinista chamado PAGANINI.

PAGANINI









   ERA UMA VEZ um grande violinista chamado PAGANINI. 
   Alguns diziam que ele era muito estranho. 
   Outros, que era sobrenatural. 
   As notas mágicas que saiam de seu violino tinham um som diferente, 
por isso ninguém queria perder a oportunidade de ver seu espetáculo. 
   Numa certa noite, o palco de um auditório repleto de admiradores 
estava preparado para recebê-lo. A orquestra entrou e foi aplaudida. 
   O maestro foi ovacionado. 

   Mas quando a figura de Paganini surgiu, triunfante, o público delirou. 
  Paganini coloca seu violino no ombro e o que se assiste a seguir é indescritível. 

   Breves e semibreves, fusas e semifusas, colcheias e semicolcheias parecem ter asas e voar com o toque daqueles dedos encantados. 

  DE REPENTE, um som estranho interrompe o devaneio da platéia. 
Uma das cordas do violino de Paganini arrebenta. 
   O maestro parou. 
   A orquestra parou. 
   O público parou. 
   Mas Paganini não parou. 

   Olhando para sua partitura, ele continua a tirar sons deliciosos de um violino com problemas. 
   O maestro e a orquestra, empolgados, voltam a tocar. 
  Mal o público se acalmou quando,DE REPENTE, um outro som perturbador derruba a atenção dos assistentes. 
   Uma outra corda do violino de Paganini se rompe. 
   O maestro parou de novo. 
   A orquestra parou de novo Paganini não parou. 

  Como se nada tivesse acontecido, 
ele esqueceu as dificuldades e avançou tirando sons do impossível. 
   O maestro e a orquestra, impressionados voltam a tocar. 
Mas o público não poderia imaginar o que iria acontecer a seguir. 

  Todas as pessoas, pasmas, gritaram OOHHH! Que ecoou pela abobadilha daquele auditório. 
   Uma terceira corda do violino de Paganini se quebra. 
   O maestro pára. 
   A orquestra pára. 
   A respiração do público pára. 
   Mas Paganini não pára. 

   Como se fosse um contorcionista musical, 
ele tira todos os sons da única corda que sobrara daquele violino destruído. 
   Nenhuma nota foi esquecida. 
O maestro empolgado se anima. 
   A orquestra se motiva. 
O público parte do silêncio para a euforia, da inércia para o delírio. 

   Paganini atinge a glória.  Seu nome corre através do tempo. 
   Ele não é apenas um violinista genial. É o símbolo do profissional que continua diante do impossível.

MORAL DA HISTÓRIA: 

  Não importa o tipo de problemas que Você está tendo. 
Pode ser problema pessoal, conjugal, familiar, qualquer coisa que esteja
afetando a sua auto-estima ou seu desempenho profissional. 

  Tenha certeza de uma coisa: Nem tudo está perdido. 
Ainda existe uma corda e é tocando nela que Você exercerá seu talento.
Tocando nela é que Você irá vibrar. 

  Aprenda a aceitar que a vida sempre lhe deixará uma última corda. 
Quando sentir desânimo, nunca desista. 
Ainda existirá a corda da persistência inteligente, do "tentar mais uma vez"
do dar um passo a mais com um enfoque novo. 

  Desperte o Paganini que existe dentro de Você e avance para vencer.
Vitória é a arte de Você continuar, onde os outros resolvem parar. 

  Quando tudo parece ruir, dê uma chance a Você e vá em frente. 
Toque na corda da motivação e tire sons de resultados positivos. 
Mas antes pergunte: quem motiva o motivador? 
Isto é: quem motiva seu cérebro, que motiva sua mão, que toca seu violino? 

   Não se frustre, não se desespere ... 
lembre-se: ainda existe a última corda: 
a do aprender de novo para deslumbrar e gerar soluções. 
Nunca a vida lhe quebrará todas as cordas. 

   Se os resultados estão mal, é a sua oportunidade de tocar a última corda, 
a da imaginação que reinventa o futuro com inovação contínua. 
É sempre a corda esquecida que lhe dará o maior resultado.
Mas, se por acaso, Você se sentir no "fundo do poço", esta é a sua chance de tocar na melhor corda do universo: DEUS.



                   
                                                                                                                                                                                            Teresa Silva 



5 comentários:

* ƬHคƬคℓyScคℓ * * Scaldelai * disse...

Linda reflexão!Toca no mais profundo da alma!
Mostra que não devemos desistir nunca assim como Deus jamais desiste de nós!

PIMENTA E POESIA (Maria Tereza) disse...

Vontade de te dar um abraço por esse post...você é especial, meu amigo. Obrigada por nos presentear assim, com o que mora dentro de você. Beijoooooooo

teresa silva disse...

gratidao amigo por ter colocado esta linda reflexao no seu blog ,para mais pessoas lerem e nunca desistirem ,pois ha sempre uma corda que tocara sons maravilhosos ,ame a vida mil bjs <3

Osvaldo Luiz disse...

Cara, achei vibrante esse teu post!! Independente de crenças (eu tiraria a última palavra do post, caso o tivesse escrito) me veio bem a calhar de qualquer forma, por que sou músico também e compreendo perfeitamente o que seja lidar com tamanhas limitações e concordo plenamente, que nessas horas, o talento de cada um é a única coisa capaz de nos trazer um pouco de alento, um pouco de ar pra respirar!! Não sei de onde você tirou essas reflexões meu caro José Atos Mayer, mas de qualquer forma me fez muito bem ler o que li!! Parabéns!!

rosa maria vitorino disse...

quem motiva o motivador? admiravel esta pergunta me fez pensar sem ler a proxima linha; que barbaro qdo li a linha sequinte, me permita dizer: voce é o cara;parabens po esta postagem linnnnnnnnda obrigada.